Páginas

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Sementes de Urucum para emagrecer

Nome popular URUCUM
Nome científico **** orellana L.
Família Bixaceae
Sinonímia popular Urucu, urucu-ola-mata,achiote,****
Parte usada Semente, raiz, folhas
Propriedades terapêuticas Expectorante, hipotensor, vermífugo, afrodisíaco, digestivo.
Princípios ativos Flavonóides, flavonas, ácidos fenólicos, açúcares livres, ácidos graxos saturados, carotenóides, bixinos, norbixina, vitamina C.
Indicações terapêuticas Emagrecimento, bronquite, faringite, doenças pulmonares, asma, febre, moléstias cardiovasculares, ferimentos, queimaduras, inflamação.
Informações complementares
Origem
Amazônia Brasileira.
Descrição
Arbusto de 2-5m de altura , 10cm de diâmetro, peciolos largos, folhas alternas, inteiras, simples, ovadas. Inflorescências panículas terminais, flores vistosas, andróginas; rosadas com manchas púrpuras.
Fruto cápsula ovóide loculicida com numerosas sementes ovóides recobertas por um arilo espinhoso, descoloração variando de amarelo pardo a vermelho púrpuro.
Propagação
Por semente, desenvolve-se satisfatoriamente sob as mais diversas condições climáticas, preferindo solos profundos, permeáveis e bem drenados.
Uso fármaco-terapêutico
Bronquite, faringite, expectorante;
Hipotensor, vermífugo, tratamento de doenças pulmonares, asma, febres, afrodisíaco, moléstias cardiovasculares;
Ferimentos, queimaduras;
Digestivo, inflamação.
Parte utilizada: (1) folhas; (2,3) sementes; (4) raiz.
Modo de usar: (1,2) infusão; (3) pó; (4) decócto.
Uso popular
Utiliza-se as sementes para emagrecer: 3 sementes (2xdia) na 1ª quinzena, 4 sementes na 2ª quinzena (2xdia), 5 sementes na 3ª quinzena (2xdia) e assim vai até completar 3 meses. Queima calorias, acelera o metabolismo e diminui o colesterol. (PASTORAL DA SAÚDE DE CUIABÁ-MT)
Outros usos
As sementes são industrializadas produzindo um pó vermelho denominado colorau, usado para tempero culinário.
Utilizado pelos indígenas como repelente e protetor da pele contra os raios solares.
O arilo contêm o pigmento bixina usado como matéria prima de corantes.
Os restos das cápsulas, após a retirada das sementes, podem ser empregados como adubação orgânica e cobertura morta e em mistura com rações para alimentação animal.
A tintura do fruto é poderoso antídoto do ácido cianídrico que é o veneno contido na raiz da mandioca.
Referências bibliográficas
ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).
ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.
ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.
AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.
AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.
BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.I-II. 1967, 917p.
BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.
BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.
BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.
BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.
CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.
CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.
CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.
CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.
DINIZ,M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspcetos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.
FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.
LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.
MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.
MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.
MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.
MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.
MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais.Hemus, Ed. 1997. 555p.
OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.
OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.
PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.
PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.
PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.
RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.
SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).
SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.
SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).
SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.;
SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p.
TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.
VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.
VON HERTWIG, I.F. Plantas aromaticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercializacao; 2a. ed.; Sao Paulo: Icome, 1991.
Colaboração:Isanete Geraldini Costa Bieski, Farmacêutica, Especialista em Plantas Medicinais pela Universidade Federal de Lavras (UFLA, MG), agosto de 2004

Beijos.

16 comentários:

Anônimo disse...

OI , MEU NOME E DAIANE E GOSTARIA DE SABER SOBRE O URUCUM PARA EMAGRECER.DEVO TOMAR AS SEMENTES OU FAZER O CHÁ ?

OBRIGADO

Fabiana Guimarães disse...

Oi Daiane, as sementes você toma como se fossem comprimidos. Desculpe pela demora em responder.
Beijos.

Anônimo disse...

oi fabiana meu nome é miriam... comprei semente de urucum...mais ñ sei como tomar para emagrecer...
tem pessoas que fala que tem que deixar assementes em fusao e tem, pessoas que fala q toma 3 sementes como comprimido...vc sabe me responder ocerto...muito obrigado

Marcia Martins disse...

Fabiana, me esclareça uma coisa ??
SIGO SEMPRE ESSA QUANTIA OU VOU AUMENTANDO, POR EXEMPLO: 6 NA PRÓXIMA E ASSIM SUCESSIVAMENTE....
OBRIGADA

Anônimo disse...

a minha amiga emagreceu 10 kilos em menos de dois meses com 140 sementes em 2 litros de agua

Fabiana Guimarães disse...

Oi Márcia, tudo bem?? Sim, você vai aumentando 1 semente a cada 15 dias. Exemplo: começa com 3 pela manhã e 3 a tarde ou a noite, depois de 15 dias, 4 pela manhã e 4 a tarde e assim sucessivamente.
Beijos.

Anônimo disse...

onde compro a sementes

Fabiana Guimarães disse...

Você encontra as sementes de urucum em lojas especializadas em secos e molhados e também em casas que vendem temperos, grãos a granel.
Beijos.

Francielly disse...

olá sou Francielly, eu fervi água e depois coloquei as sementes,guardei na geladeira,subistitu-o a água pelo chá.o efeito de emagrecer é o mesmo?

Patrícia disse...

boa tarde querida adorei o seu blog ! mas gostaria de saber se posso fazer o cha com as sementes e se faz o mesmo efeito obrigado

Re disse...

Ola Fabiana é minha primeira vez gostaria de saber onde encontro sementes de urucum pós gostaria de fazer este tratamento.bjs fica com Deus

Anônimo disse...

Boa tarde querida, só queria saber como que eu preparo ele para tomar, me falarão que tenho que deixar de molho em umas 4 ou 5 horas é isso? Beijãoo obrigada

Anônimo disse...

- tem que secar as sementes?

Anônimo disse...

Gente nao se esqueçam ue so sementes de urucum nao faz milagre,tem que ter uma alimentação saudavél tbem viu!!!! bjinhos

Anônimo disse...

faz mal engolir o caroço

Anônimo disse...

entao vou tomar ,quero saber por quanto tempo posso tomar .. fiz 2 litros com 350 sementes ,vou tomar cedo e a noite ,mas nao sei o tempo que posso tomar !


obrigada